Comunicação não violenta: 11 melhores lições de Marshall B. Rosenberg

A comunicação não violenta nos mostra como ter relacionamentos saudáveis ​​por meio da comunicação aberta e honesta de nossas observações, sentimentos, necessidades e solicitações. 

Comunicação não violenta é um livro escrito por Marshall B. Rosenberg que nos ajudar a superar os hábitos de comunicação disfuncionais que aprendemos ao crescer. Como: ser passivo-agressivo, culpar, rotular e julgar os outros como bons ou maus.

Comunicação não-violenta: técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais  e profissionais | Amazon.com.br
Comunicação não violenta de Marshall B. Rosenberg

11 melhores lições de Comunicação não violenta:

  1. Por que aprender comunicação não violenta? Para evitar falar de maneiras prejudiciais e ineficazes
  2. Não julgue os outros: é uma estratégia de comunicação ineficaz
  3. Não culpe os outros: seja responsável por seus sentimentos e ações
  4. A primeira etapa: fazer observações, não avaliações
  5. A segunda etapa: revelando sentimentos, não opiniões
  6. A terceira etapa: comunicar necessidades, não críticas
  7. A quarta etapa: fazer solicitações, não demandas
  8. Dê empatia em primeiro lugar: não conselho ou garantia
  9. Para difundir a raiva: reflita as mensagens carregadas de emoção
  10. Para lidar com as críticas: ouvir as necessidades não atendidas por trás disso
  11. Não castigue as crianças: eduque-as para valores positivos

1. Por que aprender comunicação não violenta? Para evitar falar de maneiras prejudiciais e ineficazes

O autor deste livro é o psicólogo Marshall Rosenberg

MBR Press Kit - PuddleDancer Press
Marshall B. Rosenberg – Comunicação não violenta

Certa vez, ele estava em uma mesquita em Belém, diante de 170 homens muçulmanos palestinos e apresentando seus ensinamentos sobre a comunicação não violenta.

De repente, houve uma confusão na multidão. Os homens começaram a sussurrar furiosamente entre si. 

O tradutor de Rosenberg disse-lhe tensamente: “Eles estão sussurrando que você é um americano!” 

Então, um homem na multidão se levantou, apontou para Rosenberg e gritou o mais alto que pôde “Assassino!” 

Cerca de uma dúzia de outros homens se juntou a ele, chamando-o de assassino de crianças. 

Este grupo de palestinos sentiu muita raiva dos Estados Unidos por fornecer gás lacrimogêneo e outras armas a Israel. 

Armas que foram usadas contra o povo palestino.

Por que Israel massacra o povo palestino? - A Verdade

Então, diante dessa multidão furiosa, o que você acha que Marshall Rosenberg fez? O que você teria dito e feito nesta situação?

Rosenberg imediatamente se concentrou no primeiro homem que gritou, concentrando-se no que aquele homem estava sentindo e precisando naquele momento. 

Ele perguntou ao homem: “Você está com raiva porque gostaria que meu governo usasse seus recursos de maneira diferente?” 

E o homem respondeu: “Claro que estou com raiva!” e gritaram que não precisavam de gás lacrimogêneo americano e que precisavam de esgoto e moradias melhores. 

O homem falou sobre como as condições de vida eram miseráveis ​​para ele e sua família. Como seu filho brincava no esgoto e as salas de aula não tinham livros.

Então Rosenberg respondeu: 

Ouvi dizer como é doloroso criar seus filhos aqui; você gostaria que eu soubesse que o que você quer é o que todos os pais desejam para seus filhos – uma boa educação, oportunidade de brincar e crescer em um ambiente saudável

Marshall B. Rosenberg

E essa conversa continuou por mais 20 minutos, com o homem expressando sua dor e Rosenberg refletindo os sentimentos e necessidades do homem. 

Ele não concordou ou discordou, mas teve como objetivo fazer o homem se sentir compreendido. 

E em menos de uma hora, o mesmo homem que gritou “assassino” estava agora convidando o psicólogo americano para um jantar de Ramadã em sua casa.

Esta história ilustra o poder da comunicação não violenta. 

A Comunicação Não Violenta (ou CNV para abreviar) é uma estrutura criada por Marshall Rosenberg que nos permite expressar melhor nossos sentimentos e necessidades e fazer as pessoas com quem falamos se sentirem compreendidas.

Agora, a maioria de nós nunca diria que falamos com os outros de uma forma “violenta”. 

No entanto, quando usamos os hábitos de comunicação que adquirimos durante o crescimento, muitas vezes causamos mágoa e dor a nós mesmos e aos outros. 

Em qualquer desentendimento, as pessoas têm estratégias automáticas para conseguir que suas necessidades sejam satisfeitas; muitas vezes incluem julgar, culpar e criticar a outra pessoa. 

Isso geralmente só deixa a outra pessoa na defensiva, chateada ou com raiva. 

Por meio da comunicação não violenta, podemos aprender a expressar nossas emoções e desejos de maneira mais direta. 

Isso significa que podemos superar os atritos e conflitos interpessoais de maneira mais suave e confiável.

2. Não julgue os outros: é uma estratégia de comunicação ineficaz

8 estratégias para evitar a tentação de julgar os outros - A mente é  maravilhosa
Comunicação não violenta

A primeira estratégia de comunicação que devemos evitar absolutamente é julgar moralmente os outros como bons ou maus. 

Isso geralmente acontece quando as pessoas têm alguma discordância ou conflito. Passamos muito tempo julgando, rotulando e classificando a outra pessoa como boa ou má.

Por exemplo, podemos dizer:

  • “Isso foi egoísta!”
  • “Por que você é tão preguiçoso?”
  • “Por que você não considera as pessoas ao seu redor!”

Nossa atenção está focada em classificar, analisar e determinar os níveis de erro, e não no que nós e os outros precisamos e não estamos obtendo. Portanto, se minha parceira deseja mais afeto do que eu estou dando a ela, ela é “carente e dependente”. Mas se eu quero mais afeto do que ela está me dando, então ela é “indiferente e insensível”.

Julgamos e criticamos porque estamos tentando fazer a outra pessoa se comportar de maneira diferente, para ter nossas próprias necessidades atendidas. 

Mas tudo o que geralmente acontece é que a outra pessoa fica na defensiva, chateada ou com raiva. 

Tentar fazer os outros se comportarem de maneira diferente, fazendo-os se sentir mal, culpados ou envergonhados, simplesmente não funciona na maioria das vezes. 

Portanto, é melhor evitar julgamentos morais em nossa comunicação. 

Em vez disso, concentre-se em descobrir o que todas as pessoas envolvidas estão sentindo e precisando no momento.

3. Não culpe os outros: seja responsável por seus sentimentos e ações

Portanto, outra estratégia de comunicação ineficaz é culpar os outros por como nos sentimos ou pelo que fizemos. 

Às vezes, falamos de uma forma que nega nossa responsabilidade e implica que não tínhamos escolha. 

Por exemplo, “Pare de me irritar”. 

A verdade está em reconhecer o fato de que as coisas externas podem ser o estímulo para que nos sentimos de uma determinada maneira, mas nunca a causa.

Negamos a responsabilidade por nossas ações quando atribuímos sua causa a fatores externos a nós.

Marshall B. Rosenberg

Muitas vezes culpamos o que fizemos em muitos fatores externos, como:

  • As ações de outros
  • Pressões sociais, normas e papéis
  • Nossos rótulos pessoais, diagnósticos, identidade ou história passada

Mas o fato é que negar a responsabilidade pessoal por nossos sentimentos e ações nos torna perigosos. 

A propósito, o melhor livro que li sobre responsabilidade própria é Em busca de Sentido, escrito por Viktor Frankl, um psicólogo judeu que sobreviveu ao Holocausto. 

51nzm02L8cL. SX324 BO1,204,203,200

Minha frase favorita desse livro é:

Tudo pode ser tirado de um homem, exceto uma coisa: a última das liberdades humanas – escolher sua atitude em qualquer conjunto de circunstâncias, escolher seu caminho.

Viktor Frank

Aprendi a reconhecer que fatores externos podem ser um estímulo para o que você faz, mas nunca a causa. 

Isso inclui ações de outras pessoas, expectativas sociais e sua história passada. 

4. A primeira etapa: fazer observações, não avaliações

Portanto, agora você aprenderá o cerne da comunicação não violenta, e é bastante simples. 

Existem apenas quatro partes:

  1. Observações
  2. Sentimentos
  3. Precisa
  4. Solicitações de

Aqui está uma explicação rápida de como essas quatro partes funcionam em ordem:

Primeiro, observamos o que está realmente acontecendo em uma situação: o que estamos observando os outros dizendo ou fazendo que enriquece ou não enriquece nossa vida? O truque é ser capaz de articular essa observação sem introduzir nenhum julgamento ou avaliação – simplesmente dizer o que as pessoas estão fazendo de que gostamos ou não gostamos. A seguir, afirmamos como nos sentimos ao observar esta ação: estamos magoados, com medo, alegres, divertidos, irritados? E em terceiro lugar, dizemos quais necessidades nossas estão conectadas aos sentimentos que identificamos.

Marshall B. Rosenberg

Portanto, quando você está se comunicando de forma não violenta, basta dizer essas quatro partes em ordem. 

Novamente, são observações, sentimentos, necessidades e solicitações. 

Observações, não avaliações

Como observar sem avaliar?
Comunicação não violenta

Agora vamos nos concentrar em fazer observações, que é a primeira parte desse processo. 

Embora a maioria das pessoas pense que já sabe fazer observações, na verdade não sabe. 

O problema é que, quando tentamos fazer observações, geralmente misturamos nossas avaliações. 

Nossas avaliações não são os fatos do que aconteceu, mas são nossos julgamentos, críticas e outras formas de analisar o que aconteceu.

Portanto, a maneira de nos comunicarmos de maneira não violenta é separar nossas observações de nossas avaliações. 

Quando fazemos isso, a pessoa com quem estamos falando tem muito menos probabilidade de ficar na defensiva e resistente. 

Isso significa que podemos resolver nossos problemas interpessoais de forma mais rápida e direta.

Marshall Rosenberg foi chamado um dia para resolver um problema entre a equipe e o diretor de uma escola. 

Primeiro ele conversou com a equipe, perguntando-lhes o que estava fazendo que os impedia de atender às suas necessidades.

Uma pessoa rapidamente deixou escapar: “Ele tem uma boca grande”. 

E Rosenberg teve que explicar a todos que isso não era uma observação, mas uma interpretação e um julgamento de valor do comportamento.

Outro professor comentou: “Ele fala demais!” que novamente não era uma observação de um comportamento específico, mas uma avaliação.

Outro acrescentou : “Ele pensa que só ele tem algo que vale a pena dizer”, que também não era uma observação, mas um palpite sobre o que a pessoa pensa ou deseja.

Então, depois de algum tempo, a equipe e Rosenberg trabalharam juntos para criar uma lista de comportamentos que o diretor fazia que os incomodava. 

Essa lista foi composta por descrições de comportamentos específicos sem julgamento ou avaliação desses comportamentos. 

Por exemplo, o diretor costumava trazer histórias de sua infância em reuniões de equipe, o que geralmente fazia com que eles demorassem 20 minutos a mais. 

Quando esta observação foi comunicada ao diretor, ele exclamou “Por que ninguém nunca me disse!”

5. A segunda etapa: revelando sentimentos, não opiniões

Então, depois de fazer uma observação, você deve expressar seus sentimentos sobre o que observou. 

Como na etapa anterior, isso é um pouco mais complicado do que parece. 

Quando a maioria de nós pensa que está expressando sentimentos, o que realmente estamos fazendo é expressar nossas opiniões, interpretações e avaliações sobre os outros.

Um grande motivo para essa confusão é a própria língua. 

Frequentemente, começamos as frases com as palavras “Eu sinto…”, mas não acabamos expressando nossos sentimentos íntimos. 

Por exemplo, todas as seguintes afirmações não são expressões de sentimentos internos, mas interpretações do comportamento das pessoas:

  • Acho que Paulo está sendo rude
  • Eu sinto que as pessoas deveriam ser legais
  • Eu sinto que você não me leva a sério

Existem também afirmações como “Sinto-me ignorado” que também não são expressões de sentimento. 

Ser ignorado pode parecer uma coisa negativa se você quiser ser notado, mas uma coisa positiva se você não quiser atenção. 

Portanto, a maneira certa de expressar isso é:

“Me sinto magoado porque ninguém falou comigo”. 

Mágoa é um sentimento interior, ignorado não é um sentimento. 

E nem são palavras como:

  • abandonado
  • abusado
  • trapaceado
  • diminuído
  • ignorado
  • manipulado
  • incompreendido
  • pressionado
  • rejeitado
  • ameaçado
  • indesejado
  • usado

Exemplos de palavras de sentimento

Sentimentos - Dicio, Dicionário Online de Português
Comunicação não violenta

Então, quais palavras expressam sentimento interior? 

Bem, aqui está uma pequena lista de sentimentos positivos e negativos para lhe dar uma ideia:

Sentimentos positivos:

  • divertido
  • apreciativo
  • atônito
  • calma
  • confortável
  • confiante
  • exaltado
  • animado
  • Alegre
  • grato
  • esperançoso
  • amoroso
  • maduro
  • otimista
  • atualizado
  • relaxado
  • caloroso

Sentimentos negativos:

  • com medo
  • nervoso
  • incomodado
  • envergonhada
  • desapontado
  • desanimado
  • com nojo
  • enfadonho
  • envergonhado
  • desamparado
  • ferir
  • com ciumes
  • sobrecarregado
  • relutante
  • triste
  • preocupado

6. A terceira etapa: comunicar necessidades, não críticas

Em seguida, devemos conectar nossos sentimentos às nossas necessidades não satisfeitas. 

Na raiz de nossos sentimentos, sempre existe uma necessidade. 

Se nos sentimos bem, é porque nossas necessidades estão sendo atendidas. 

Se nos sentimos mal, é porque nossas necessidades não estão sendo atendidas.

As pessoas têm muitas necessidades naturais. Temos necessidades de segurança, saúde, respeito, amor, confiança, cordialidade, autonomia, compreensão, intimidade, apoio, diversão e muito mais.

A hierarquia de necessidades de Maslow oferece uma boa visão geral:

Hierarquia de necessidades de Maslow – Wikipédia, a enciclopédia livre

O problema é que, quando uma de nossas necessidades não está sendo atendida, a maioria de nós nunca aprendeu a comunicar isso. 

Temos maior probabilidade de julgar, criticar ou diagnosticar as pessoas ao nosso redor na tentativa de mudar seu comportamento.

As análises de outras pessoas são, na verdade, expressões de nossas próprias necessidades e valores.

Então, qual é a diferença entre comunicar uma necessidade e uma crítica? 

Bem, imagine que uma esposa está chateada porque o marido trabalha até tarde todas as noites e ela diz: “Você se preocupa mais com o seu trabalho do que comigo”. 

Isso é crítica e provavelmente provocará uma atitude defensiva. 

Por outro lado, ela poderia dizer: “Sinto-me só porque preciso de mais conexão e intimidade”. 

Com essa frase, ela está revelando seu sentimento e conectando-o a uma necessidade não atendida, sem criticar a outra pessoa.

Uma boa fórmula a seguir é este: “ Eu sinto abc… porque eu preciso de xyz.” 

Certifique-se de evitar dizer “Eu me sinto abc… porque você fez xyz.” 

Isso remete a culpar a outra pessoa por como nos sentimos. 

Mas quando você diz “Eu sinto isso porque preciso disso …”, você está simplesmente reconhecendo e comunicando claramente suas necessidades.

7. A quarta etapa: fazer solicitações, não demandas

preciso de experiencia para abrir uma franquia
Comunicação não violenta

A última parte da Comunicação Não Violenta é fazer solicitações. 

É quando você diz à outra pessoa exatamente o que ela pode fazer para atender às suas necessidades. 

E seus pedidos devem ser concretos e específicos. 

Frequentemente, cometemos o erro de pedir a alguém que mude usando uma linguagem muito abstrata e vaga.

Em um dos workshops de Marshall Rosenberg, ele conheceu uma mulher que estava dizendo ao marido: 

Quero que você me dê a liberdade de crescer e ser eu mesma”. 

Bem, uma declaração ambígua como essa deixará a maioria das pessoas coçando a cabeça sobre quais comportamentos específicos deveriam mudar. 

Além disso, os pedidos pouco claros têm grande probabilidade de provocar resistência e argumentos como “Mas, eu te dou muita liberdade!”

Rosenberg fez mais perguntas à mulher para esclarecer quais comportamentos específicos ela queria ver de seu marido. 

Ela lutou por alguns minutos e finalmente admitiu “Acho que quero que ele sorria, não importa o que eu faça e diga que está tudo bem.” 

E quando finalmente conseguiu expressar o que desejava em termos claros e concretos, a mulher percebeu que seu pedido deixava pouca liberdade para o marido ser ele mesmo na relação e ter suas próprias necessidades respeitadas.

Frequentemente, o uso de linguagem vaga e abstrata pode mascarar jogos interpessoais opressores.

Evitando Demandas

Outra parte de fazer solicitações eficazes é evitar exigir que a outra pessoa faça o que você deseja. 

A diferença entre um pedido e uma exigência é que as exigências fazem a outra pessoa acreditar que será punida se não fizer o que dizemos. 

Portanto, devemos deixar claro para a outra pessoa que só queremos que ela siga nosso pedido se puder fazê-lo por sua própria vontade. 

Você não irá puni-los de forma alguma se eles não obedecerem. 

Porque? 

Porque quando as pessoas seguem nossos pedidos por culpa ou medo de punição, o relacionamento terá um ressentimento crescente. 

Melhor eles seguirem nosso pedido por compaixão e consideração.

Para evitar fazer exigências, esteja atento quando começar a ter pensamentos como “Ele deve fazer isso”, “Ela deve fazer isso” ou “Eu mereço isso”. 

Esse tipo de pensamento fará parecer que você está exigindo um determinado comportamento por dever, obrigação ou reciprocidade oculta.

Então, espero que você esteja tendo uma noção da fórmula geral agora. 

Em poucas palavras, Comunicação Não Violenta é: “Quando isso acontece, eu sinto isso porque preciso disso. Então, eu gostaria que você fizesse isso.” 

E se alguém disser não ao seu pedido? Isso não significa que você deve desistir imediatamente. 

Mas, primeiro, tenha empatia total com o que os está impedindo de dizer sim, antes de se envolver em mais persuasão.

8. Dê empatia em primeiro lugar: não conselho ou garantia

Empatia - Dicio, Dicionário Online de Português

A parte mais importante de receber os outros é sempre começar com empatia. 

Quando outras pessoas confiam em nós, muitos de nós temos uma reação automática de oferecer conselhos ou garantias. 

Esta pode ser nossa tentativa de “consertar” qualquer problema que os esteja incomodando. 

Ainda assim, na maior parte do tempo, quando alguém revela seus sentimentos, o que realmente precisa é de empatia. 

Portanto, é sempre melhor perguntar antes de dar conselhos ou garantias, porque geralmente não é isso que a outra pessoa está precisando.

A parte mais importante da empatia é estar presente com a outra pessoa e com o que ela está sentindo. 

Não se trata de compreender intelectualmente a situação deles. 

Na verdade, quando um psicólogo está muito ocupado entendendo intelectualmente a situação de alguém ou conectando-a a uma teoria psicológica, isso pode realmente interromper a empatia.

Você saberá que a outra pessoa recebeu empatia suficiente quando parar de compartilhar ou parecer visivelmente aliviada. 

Nesse ponto, eles estarão abertos e preparados para ouvir seus próprios sentimentos e necessidades.

9. Para difundir a raiva: reflita as mensagens carregadas de emoção

Uma ótima ferramenta para demonstrar empatia é parafrasear. 

Isso significa refletir de volta o que a outra pessoa acabou de dizer de uma forma que demonstre que você entendeu. 

Por exemplo, se seu filho disser “Odeio a escola!” então você pode responder “Você está se sentindo triste porque não está gostando das aulas?” 

Esse tipo de pergunta permite que a pessoa concorde que você entendeu ou esclarecerá o que realmente quis dizer. 

Quando você é confrontado por uma pessoa com raiva, essa ferramenta pode ser especialmente útil.

Nossa resposta típica quando alguém está com raiva de nós é desviar a culpa e dizer “mas não é minha culpa!” ou “mas eu não queria!” ou algo semelhante. 

Geralmente, esse é o movimento errado. Rosenberg brinca que nunca devemos colocar nosso “mas” na cara de uma pessoa com raiva. 

A resposta adequada à raiva é ter empatia.

Uma jovem trabalhava em um centro de desintoxicação de drogas em Toronto. 

Tarde da noite, um homem que claramente usava drogas entrou e exigiu um quarto. 

Quando ela começou a explicar que todos os quartos estavam ocupados, o homem saltou sobre ela, imobilizou-a no chão sentando-se em seu peito e levou uma faca à sua garganta, gritando: “Não minta para mim! Você tem um quarto! ”

A mulher lembrou-se do treinamento de Comunicação Não-Violenta que fizera apenas algumas semanas antes e sabia que precisava responder com empatia em vez de argumentar. 

Então ela ouviu os sentimentos e necessidades por trás das palavras do homem e disse: “Parece que você está com muita raiva e quer um quarto”. 

O homem respondeu que pode ser um viciado, mas que merece respeito caramba!

E a mulher continuou a refletir isso dizendo “Você está louco por não receber o respeito que deseja?” 

Isso continuou por mais um tempo, e a empatia estava claramente dissipando a raiva do homem. 

Por fim, ele se levantou e a mulher o ajudou a encontrar um quarto em outro lugar. 

Ela tinha certeza de que se tivesse respondido com “mas os quartos estão realmente cheios!” então o homem teria cortado sua garganta.

10. Para lidar com as críticas: ouvir as necessidades não atendidas por trás disso

Marshall Rosenberg diz que existem quatro maneiras de lidarmos com as críticas:

  1. Podemos culpar a nós mesmos e aceitar o julgamento da outra pessoa. Isso geralmente tem um grande custo para nossa própria auto-estima. Por exemplo: “Sim, eu deveria ter sido mais atencioso.”
  2. Podemos culpar a outra pessoa, desviando as críticas de volta para ela. Exemplo: “Não, você deve ser menos sensível”.
  3. Podemos expressar nossos próprios sentimentos e necessidades naquele momento. Exemplo: “Quando você diz que sou muito exigente, me sinto péssimo porque preciso…”
  4. Podemos persuadir a outra pessoa a expressar seus sentimentos e necessidades. Exemplo: “Você está se sentindo mal porque precisa …”

Diante de qualquer crítica ou outra mensagem negativa, nossa melhor opção é sempre olhar além das palavras inflamadas para as necessidades não satisfeitas por trás delas. 

Por exemplo, seu parceiro chama você de preguiçoso. Você pode aceitar o julgamento e sentir vergonha, ou pode chamá-los de um nome ruim em troca que não resolve nada, ou pode procurar a necessidade por trás das palavras:

“Você está dizendo que sou preguiçoso porque você precisa de menos sentimento de caos e desordem em nosso espaço? ”

Uma premissa básica da CNV é que sempre que sugerimos que alguém está errado ou mau, o que realmente estamos dizendo é que ele ou ela não está agindo em harmonia com nossas necessidades.

Crítica, julgamento, raiva, o tratamento silencioso, olhos revirados. Por baixo de qualquer mensagem negativa, há uma tentativa ineficaz de atender a uma necessidade. 

Portanto, em vez de levar essas mensagens para o lado pessoal, podemos direcionar a luz de nossa atenção para o que a outra pessoa está sentindo e de que precisa naquele momento. 

Depois que a outra pessoa tem certeza de que entendemos suas necessidades não atendidas, geralmente é fácil resolver o problema subjacente. 

E os jogos de manipulação indireta podem ser deixados para trás.

11. Não castigue as crianças: eduque-as para valores positivos

Crianças que praticam atividades físicas são mais inteligentes - Revista  Crescer | Crescer Inteligente por Sustagen Nutriferro

Alguns pais dizem que o castigo é a única maneira de obrigar os filhos a fazer o que é bom para eles. 

Essa punição pode incluir força corporal, crítica crítica e retirada de privilégios.

Embora a punição possa ser bem-sucedida na alteração do comportamento a curto prazo, muitas vezes ela pode falhar quando se trata de seus objetivos de longo prazo mais importantes como pai. 

Se tudo que você perguntar for: “O que eu quero que meus filhos façam agora?” então a punição parece funcionar. 

Mas se você fizer a pergunta: “Quais são os motivos que eu quero que meus filhos tenham para fazer isso?” então, a punição muitas vezes pode ser contraproducente.

Quando alguém está motivado a fazer uma ação por medo, pode ficar cego para as razões mais importantes para fazer essa ação, como os benefícios de longo prazo ou as recompensas intrínsecas. 

Por exemplo, você gostaria que seus filhos lessem livros porque gostam de aprender ou porque serão punidos se não o fizerem?

Além disso, quando você controla o comportamento de alguém por meio do medo, isso geralmente diminui sua auto-estima e boa vontade para com você. 

Ser forçado a fazer qualquer coisa por medo cria resistência em relação a essa mesma atividade e hostilidade em relação à pessoa que aplica a punição. 

Pior de tudo, a ameaça de punição pode até mesmo tornar as crianças cegas para a compaixão subjacente que motiva as demandas dos pais. 

Então você está resolvendo um problema enquanto cria outros.

O que você achou das lições do livro Comunicação não violenta de Marshall B. Rosenberg? Comente abaixo 🙂

Artigos relacionados:

Negocie como se sua vida dependesse disso: 9 lições de negociação

Estratégia de Warren Buffett para maximizar foco

Quer melhorar oratória? 10 lições de Martin Luther King Jr.

7 ideias de diário que o deixarão mais feliz (comprovado)

Você não é o seu pensamento

10 mini hábitos poderosos para praticar todos os dias

Como evitar a procrastinação em 2021 (5 dicas)

Como se tornar indispensável em 2021

Amor próprio: 10 dicas para aprender

119 frases motivacionais para sua vida em 2022

O que podemos aprender com a morte?

Como se tornar uma pessoa mais motivada em 2021

omo praticar a atenção plena

saraiva autor info

Gustavo Saraiva

É empreendedor digital, investidor e cofundador do Doutor Multas, sócio do Âmbito Jurídico e sócio da Evah. É colunista do UOL, JUS, Icarros e escreve para dezenas de portais, revistas e jornais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.