Como fazer anotações inteligentes (passo a passo)

A primeira vez que li sobre como fazer anotações inteligentes foi há 2 anos atrás.

Um autor que eu gosto, Ryan Holiday, escreveu um artigo no Medium sobre como ele armazena informações, ideias e coisas que lê.

Fiquei fascinado com a ideia de um método simples de fazer anotações que ajuda a ler mais (e lembrar do que se leu).

Pesquisando mais sobre o assunto, encontrei um livro de como fazer isso e hoje quero compartilhar os 5 passos que tenho aplicado nas minhas leituras.

Livro: Como fazer anotações inteligentes de Sonke Ahrens

Como fazer anotações inteligentes de Sonke Ahrens
Como fazer anotações inteligentes de Sonke Ahrens

O autor explica no livro a metodologia “Zettelkasten” desenvolvida por Niklas Luhmann, um sociólogo do século 20 que publicou uma quantidade prodigiosa de trabalho: 70 livros e mais de 400 artigos antes de sua morte.

De acordo com entrevistas com Luhmann, o trabalho era “fácil” para ele por causa do sistema que havia desenvolvido para fazer anotações em tudo que lia e pensava.

Muitos escritores e pesquisadores tentaram descrever como outras pessoas podem replicar esse sistema por si mesmas, mas de acordo com Sonke, eles erraram o alvo.

O objetivo do Como fazer anotações inteligentes é fornecer a apresentação mais precisa do sistema “Zettelkasten” desenvolvido por Luhmann e, independentemente da precisão, é um sistema fenomenal para obter mais do que você lê.

A ideia central do livro Como fazer anotações inteligentes é que extrair puramente anotações geralmente é uma perda de tempo.

Uma anotação fala com você quando você anota, mas se você não captar a ideia que a anotação lhe deu, é improvável que se lembre da importância dela mais tarde.

Ou mesmo se tiver algum insight ao revisitar uma nota, pode ser uma interpretação diferente.

Se você já olhou para trás, para as anotações do seu livro e pensou consigo mesmo, “por que eu destaquei isso?” então você sabe qual problema estamos resolvendo aqui.

E, se você ainda não fez nenhuma anotação, melhor ainda! Você vai aumentar drasticamente a sua compreensão de leitura e retenção.

Em vez de simplesmente destacar as passagens, o sistema de anotações inteligentes incentiva você a criar manualmente notas das ideias que obtém ao ler.

… a mera cópia de citações quase sempre muda seu significado, retirando-as do contexto, mesmo que as palavras não sejam alteradas. Esse é um erro comum de iniciante, que só pode levar a uma colcha de retalhos de ideias, mas nunca a um pensamento coerente.

Sonke Ahrens

Você deseja criar notas que sejam relevantes para contextos importantes para você, não apenas relacionadas ao livro que você leu.

5 passos de Como fazer anotações inteligentes

Aqui, vou compartilhar como estou aplicando o sistema Como fazer anotações inteligentes em meu próprio trabalho, por meio de minha interpretação e adaptação do método que Ahrens apresenta no livro.

Não é um sistema perfeito: ajustei algumas coisas com base no que faz sentido para mim, então recomendo que você leia o livro também.

Desde que li Como fazer anotações inteligentes, tenho adotado o método Zettelkasten em minhas próprias leituras e posso ver como ele está melhorando meu aprendizado.

Adicionando minhas próprias notas contextuais as minhas anotações e levando algum tempo depois de terminar um livro para processar e organizar melhor essas notas, sou capaz de gerar mais ideias conforme leio e coloco essas ideias em melhor uso.

Vamos começar a fazer anotações inteligentes. 

Passo 1: Faça anotações físicas ao ler

Quando estiver lendo um livro, tenha algo em que possa fazer anotações fisicamente com você o tempo todo.

Você também pode fazer isso para artigos, mas vou me concentrar nos livros.

No momento, estou usando dois cadernos para isso: um Moleskine e um caderno inteligente.

Mas por que notas físicas?

Quando você tiver que escrever suas anotações à mão, será um pouco mais atencioso com elas e será forçado a colocar as coisas com suas próprias palavras.

Com a digitação, é mais fácil apenas digitar novamente o que você está lendo (ou pior, copiar e colar) e não capturar todo o contexto da ideia.

Você também se lembra melhor das coisas quando as escreve à mão. Aumenta também a sua criatividade.

Ahrens conta uma boa história sobre um estudo feito com estudantes universitários, que descobriu que os alunos que fizeram anotações de aulas à mão lembraram-se deles muito melhor do que os alunos que fizeram anotações em seus laptops.

Durante a leitura, escreva tudo o que vier à mente do livro e onde você o encontrou.

Pode ser sua própria interpretação de uma passagem, ou pode ser alguma outra ideia aparentemente aleatória que o livro despertou.

Capture em seu caderno como uma rápida “nota temporária” que você pode expandir mais tarde.

Seja breve, seja extremamente seletivo e use suas próprias palavras. Seja extremamente seletivo com aspas, não as copie para pular a etapa de realmente entender o que elas significam.

Sonke Ahrens

Passo 2: tenha uma maneira de registrar as fontes bibliográficas enquanto você lê

É aqui que me afasto um pouco do método de Ahren: capturo minhas anotações e notas, porque gosto de ter passagens diretas para citar posteriormente em artigos como esses.

Escrevo o número da página em meu caderno para saber de onde veio a ideia e fixo essa seção do livro para poder retirar a citação mais tarde.

Mas, via de regra, tabule uma seção apenas se isso o inspirou a escrever uma ideia em seu caderno.

Em seguida, marque a ideia com o número da página de onde você a obteve e deixe uma aba no livro.

Não fique tentado a marcar coisas que “parecem” importantes, salve apenas aquelas que falam a você.

Se você estiver no Kindle, pode usar o recurso de notas para fazer a mesma coisa. Embora eu ache que o método de anotações inteligentes se presta muito bem para redescobrir livros físicos.

Novamente, tecnicamente não faz parte da metodologia de anotações inteligentes, mas se você gosta de ter notas específicas como referências mais tarde, esta é uma boa adição. 

Passo 3: faça upload de suas notas

image
upload das notas no notion

Assim que terminar um livro, carregarei todas as minhas anotações para o Notion.

Existem dois tipos de notas para fazer upload:

Referências, os destaques dos quais tive ideias e desejo extrair.

Ideias, os pensamentos que tive ao ler o livro.

Para as referências, uso Readwise para digitalizá-las do livro físico ou exportá-las do Kindle.

Para as ideias, vou redigito em meu caderno e expando para transformá-las em pensamentos mais organizados.

Começarei listando tudo isso sob o título “Ideias”, mas isso é temporário.

A questão importante aqui é: como posso tornar essa ideia detalhada o suficiente para ser autônoma, sem o contexto do livro ou a nota associada?

Você deseja que cada uma dessas ideias sejam pensamentos totalmente formados, que possam ser consultados posteriormente em várias áreas diferentes. 

Passo 4: arquive suas anotações

Uma das ideias principais das anotações inteligentes é arquivar informações com base no contexto em que você deseja redescobri-las, não com base no contexto em que as encontrou.

Deixar as ideias que o livro inspirou dentro do livro torna muito mais difícil encontrá-las posteriormente.

Por exemplo, se eu quisesse escrever um artigo no futuro sobre a criação de urgência, talvez não me lembrasse de que era um tópico em O Caminho do Artista.

Identificar a ideia com seus contextos relevantes ajuda, mas, ao mover uma ideia para seu contexto principal, você pode organizá-la melhor dentro desse contexto, organizando em outros tópicos ou títulos.

Portanto, a última etapa com cada uma de suas anotações inteligentes é movê-las para onde você mais deseja redescobri-las e adicionar quaisquer contextos adicionais que você acha que podem ser relevantes no futuro.

Primeiro, vou marcar cada ideia com o livro de onde tirei. Isso só garante que, depois de movê-lo, saberei de onde veio originalmente.

Em seguida, examinarei cada ideia e decidirei para qual área de tópico existente ou nova em meu banco de dados ela é mais relevante.

Por exemplo, aquele primeiro ponto sobre lucratividade faz mais sentido estar na nota de “Lucratividade”.

Também adicionei tags para “Crescimento” e “Crescimento sustentável”, pois talvez queira me lembrar dessa ideia nesses contextos também. 

Passo 5: use e organize suas anotações

À medida que desenvolve mais notas dentro de uma determinada ideia, você será capaz de começar a organizar essas notas em ideias maiores ou até mesmo resultados completos, como artigos.

Este é o verdadeiro poder do sistema de anotações inteligentes: uma vez que você está constantemente capturando as ideias que está obtendo de fontes distintas e as organizando em seus contextos mais importantes.

Você pode desenvolver rapidamente ideias para novos artigos do seu blog, livros, scripts, o que quer que seja é você que cria a partir de suas ideias.

E como cada ideia pode ser referenciada de vários lugares, você pode usá-la para ajudar a avançar e organizar seu pensamento em muitos lugares ao mesmo tempo.

Tudo que você precisa fazer para transformar suas ideias em novos artigos ou outros trabalhos é começar a organizá-los e expandi-los.

Desde a implementação desse método, fiquei impressionado com a facilidade com que ele permite que novas ideias fluam.

Até mesmo algumas ideias de alguns livros caíram em um tópico que constituem um ponto de partida para um monte de outras ideias e tornam mais fácil superar o bloqueio do escritor. 

Resumo

  1. Pegue sua própria cópia do livro Como fazer anotações inteligentes
  2. Obtenha um bom caderno para fazer anotações enquanto lê
  3. Escreva ideias à mão durante a leitura e indique de onde elas vieram
  4. Envie suas anotações e ideias assim que terminar um livro
  5. Arquive essas ideias em seus contextos mais úteis
  6. Use essas ideias para criar novos trabalhos e conteúdos

O que você achou esse livro? Recomendo a leitura, se tiver qualquer dúvida pergunte aqui nos comentários abaixo 🙂

saraiva autor info

Gustavo Saraiva

É empreendedor digital, investidor e cofundador do Doutor Multas, sócio do Âmbito Jurídico e sócio da Evah. É colunista do UOL, JUS, Icarros e escreve para dezenas de portais, revistas e jornais.

Similar Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *